quinta-feira, 9 de julho de 2020

FLOATERS – Joseph Wambaugh



A releitura desse sardônico romance policial me proporcionou insuspeitadas reflexões, muito além das tramas de assassinato tratadas na história. Por volta de 2011, encontrei meia dúzia de pockets de Joseph Wambaugh em uma feira de livros na Cinelândia (ê saudade! Cada pocket a R$ 1!). Gostei tanto dessas leituras que guardei os livros para reler em algum momento do futuro.

E o futuro afinal chegou. “Floaters” é o terceiro desse autor que releio. Por aí já dá para se ver que realmente sou fã da prosa cítrica de Wambaugh, e realmente me espanta que ele não seja mais conhecido no Brasil.

Agora, sobre as reflexões. Ao ler esses livros pela primeira vez, percebi as narrativas sobre crime e morte, tratadas com altas doses de ironia e humor mórbido, acabaram me provocando uma depressão incipiente na época. Curiosamente, em 2020, em plena pandemia, decidi reler Wambaugh justamente como antídoto para a depressão que tem acossado a maioria de nós. O que comprova mais uma vez a sabedoria do ditado: “o que dá para rir, dá para chorar; é questão de hora e lugar”.

Uma consequência dessa reflexão foi novamente render louvores e gratidão aos belos poderes curativos da Literatura! Que coisa curiosa, encontrar refúgio dos horrores e aflições de uma pandemia nas páginas de um romance policial! Mas desconfio que não estou sozinho nessa “terapia literária”!

Ao final da leitura, além do entretenimento e das distrações que me proporcionaram, percebi o porquê de minha intuição ter buscado esse livro nesse momento específico. Eu já não lembrava muita coisa da primeira leitura, feita em 2012 (https://comunidaderesenhasliterarias.blogspot.com/2012/04/flutuadores-joseph-wambaugh.html). E fiquei impressionado ao perceber que a essência do livro, expressa no título “Flutuadores”, remete a uma imagem que eu só posso chamar de espiritual: o grande oceano da vida, conduzindo tudo e todos em suas correntezas e marés, de acordo com um desígnio que escapa à compreensão das pequenas mentalidades individuais. Falar mais que isso seria “spoiler”: basta dizer que encontrei na leitura exatamente a mensagem que eu precisava. Viva a sincronicidade!




\\\***///


FAVELA GÓTICA liberado na íntegra no site da Verlidelas Editora:

Durante esse período de pandemia, em meio a tantas incertezas, temos uma única garantia: a de que nada será como antes. Estamos todos tendo a oportunidade preciosa de participar ativamente na reconstrução de um mundo novo, mais luminoso e solidário.

O livro Favela Gótica fala justamente sobre “a monstruosidade essencial do cotidiano”, em uma história cheia de suspense, fantasia e aventura. Ao nos tornamos mais conscientes das sombras que existem em nossa sociedade, seremos mais capazes, assim como a protagonista Liana, de trilhar um caminho coletivo das Trevas para a Luz.

A versão física de Favela Gótica está à venda no site da Verlidelas, mas – na tentativa de proporcionar entretenimento a todos durante a quarentena – o autor e a editora estão disponibilizando gratuitamente, inclusive para download, o PDF de todo o livro.

Fique à vontade para repassar o arquivo para amigos e parentes.

Leia ou baixe todo o livro no link abaixo:

segunda-feira, 29 de junho de 2020

GINCANA DA POESIA – Fabio Shiva e Fabíola Campos (org.)



Esse é um livro especial para mim por muitos motivos. É o primeiro livro que organizo junto com minha esposa Fabíola Campos, em conclusão ao projeto Gincana da Poesia, após um concurso que teve mais de 2.300 poemas inscritos! O concurso foi realizado em duas categorias, uma só para estudantes da prefeitura-bairro de Itapuã-Ipitanga, em Salvador, e outra geral para poetas de todo o Brasil. O processo de seleção dos poemas vencedores foi verdadeiramente épico, e aproveito para expressar mais uma vez a minha gratidão e admiração aos três jurados do concurso: o poeta Adão Cunha (responsável pelo olhar mais lírico), a atriz Victória  Cardos (que avaliou os poemas mais pelo ponto de vista da declamação) e o escritor e editor Sergio Carmach, da Verlidelas Editora (contribuindo com uma visão editorial, de mercado). O fato de ter sido extremamente difícil chegar a apenas três vencedores em cada categoria fala não somente da quantidade de poemas inscritos, mas também de sua qualidade. E os poemas vencedores foram:

CATEGORIA GERAL:
1º lugar: RENASCER - Silvia Coutinho
2º lugar: TERRA MARIA - Fabiano Silva Joia
3º lugar: PRELÚDIO - Dynho Silva

CATEGORIA ESTUDANTES:
1º lugar: MAS AINDA SE ROMPEM TORRENTES - Maria Clara de Santana Ribeiro
2º lugar: MULHER NEGRA - Rafael Santos de Jesus Lima
3º lugar: AMÉM - Amanda da Conceição Pereira


O fato de os poemas vencedores terem recebido premiações em dinheiro e livros, além da publicação no livro “Gincana da Poesia”, foi também um motivo de grande satisfação para mim. Como poeta que sou, graças a Deus, tive a oportunidade de viver a alegria de receber prêmios por alguma poesia que passou por mim, e poder proporcionar essa alegria a outros poetas é muito precioso!

Outro motivo de deleite é a primorosa edição da Verlidelas Editora, com a diagramação esperta e elegante de César Mendonça, que possibilitou o encanto de termos efetivamente dois livros em um, com duas capas e cada metade de ponta-cabeça com relação à outra. O PDF do livro foi disponibilizado gratuitamente no link:


Por último, mas não menos importante, ter a permissão do Universo para lançar um livro de poesias selecionadas de meus dois grandes ídolos, Castro Alves e Gregório de Mattos, é uma dádiva que não cessa de me emocionar. Espero não estar cometendo uma heresia ao dizer que minha relação com esses dois grandes poetas é de uma devoção que, creio eu, deve ser semelhante ao amor que experimentam os devotos de algum santo católico. Não é por acaso que um de meus locais mais sagrados na Bahia é justamente a Praça Castro Alves, cuja estátua já há algum tempo tem a feliz companhia da de Gregório de Mattos, do outro lado da rua. Toda vez que passo por lá, quem estiver do meu lado poderá me ouvir dizendo: “Benção, Antônio! Benção, Gregório!”

Escolher apenas 12 poemas de cada foi outro lindo desafio. Tivemos alguns critérios que facilitaram a tarefa: as poesias escolhidas versam todas sobre os temas do concurso: “Amor” e “Liberdade” (homenagem a Castro Alves) ou “Fé” e “Diversão” (homenagem a Gregório de Mattos). Atrevo-me a dizer que fizemos uma honrosa seleção, onde constam os principais poemas de cada um, ainda que por vezes apenas trechos deles (alguns dos poemas são imensos).


Que coisa linda é a Poesia, que nos permite vislumbrar um pouco o coração de Deus, o Grande Poeta! Gratidão infinita por meus ouvidos poderem captar algumas notas do sublime canto da Musa!

Viva a Poesia!

GINCANA DA POESIA é um projeto contemplado pelo Edital Arte Todo Dia - Ano V, da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura de Salvador, realizado pela Cachorro Beato Produções com o apoio da Rede Bahia, da Verlidelas Editora, do Athelier PHNX, da Gold Comunicação Digital e da Suporte Informática.


Facebook
Instagram
Blog
YouTube:

\\\***///

CURA POÉTICA
(Delirium Liricus III)
Antologia colaborativa organizada por Fabio Shiva e Sergio Carmach
- Inscrições abertas –
- Premiação para o melhor poeta –
Este livro será o terceiro da série “Delirium Liricus”, que compara cada poesia a uma pílula, classificando-as como remédios (quando mais otimistas), venenos (quando mais pessimistas) e placebos (quando feitas para divertir, encantar).
No entanto, pouco importa se os versos são de amor, revolta, contemplação... Escrever e ler poesias é sempre uma boa forma de curar feridas da alma. A antologia “Cura Poética” é uma oportunidade para os poetas extravasarem o que trazem dentro de si em uma época de tantas incertezas. Faça sua poesia - seja ela um remédio, um veneno ou um placebo - e nos envie. Leia o EDITAL:


segunda-feira, 8 de junho de 2020

LIVRO DO APOCALIPSE



Anos atrás, tomei a decisão de ler todos os livros do Novo Testamento. Comecei lendo os quatro evangelhos, durante meu período diário de meditação. Ao começar os Atos dos Apóstolos, contudo, fui experimentando uma dissonância que só cresceu quando cheguei às cartas de Paulo. E foi assim que minha leitura devocional se tornou crítica, e fui tomado pela assombrosa descoberta de que boa parte das pessoas que hoje se consideram cristãs estão na verdade seguindo os ensinamentos de São Paulo. Agora, ao terminar essa custosa leitura, voltei a refletir sobre essas estranhas contradições entre os ensinamentos de Jesus Cristo e as sucessivas deturpações que esses ensinamentos foram sofrendo ao longo dos séculos. Chego a pensar que o problema todo começou com Paulo: ao permitir interpretações e extrapolações da mensagem de Cristo, a Igreja foi lentamente se afastando do cristianismo original, a ponto de admitir cristãos queimando hereges durante a Idade Média e, em pleno século XXI, cristãos fazendo arminha e adorando ideários fascistas. Se dependesse de mim, ficaríamos apenas com os quatro evangelhos, ou menos que isso: bastam o sermão da Montanha e os dois mandamentos que Jesus nos deixou (“amai a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo”) para nos manter bem ocupados durante toda a vida, e além.

Nessa leitura que fiz anos atrás, ao chegar ao livro do Apocalipse eu estava começando a ler “A Ciência Sagrada” (https://comunidaderesenhasliterarias.blogspot.com/2020/05/a-ciencia-sagrada-swami-sri-yukteswar.html), de Swami Sri Yukteswar, maravilhosa obra que se propõe a demonstrar que existe uma mesma Verdade por trás dos ensinamentos da Bíblia cristã e das escrituras hindus. Como o livro começava citando trechos do livro do Apocalipse, me decidi a só empreender a leitura do último livro da Bíblia depois de percorrer todas as páginas de “A Ciência Sagrada”. Contudo esse acabou se revelando o livro mais complexo que tive a oportunidade de ler, e li a primeira metade nada menos que cinco vezes, a cada vez retornando ao começo por achar que ainda não havia compreendido por completo. Nesse longo processo os meses foram se transformando em anos. Em 2020, afinal terminei a leitura dessa grande obra-prima de sabedoria (que pretendo reler uma vez por ano), e então me lembrei do livro do Apocalipse. Por uma estranha sincronicidade, portanto, li o livro das Revelações justamente em plena pandemia do Covid-19, que muitos têm interpretado como inequívocos sinais do iminente Apocalipse.

É muito significativo que a palavra “apocalipse” nos evoque imagens do fim do mundo. Contudo o significado original da palavra grega é simplesmente “revelação”. Trata-se de um texto de imagens muito vívidas e impactantes, que uma interpretação literal poderia realmente transformar em um roteiro hollywoodiano para o Juízo Final. Auxiliado pelas chaves fornecidas pela leitura de “A Ciência Sagrada”, entretanto, pude vislumbrar muitas passagens que podem ser interpretadas à luz da yoga, como o persistente simbolismo dos números sete (os chakras ou centros energéticos do corpo) e vinte e quatro (os atributos da Natureza).

Essas chaves, confesso, não me permitiram devassar os significados ocultos do livro do Apocalipse, cujo hermetismo vem desafiando os estudiosos ao longo dos séculos. Contudo essa primeira leitura me deixou com duas fortes impressões: 1) trata-se de um texto simbólico e não literal, como aliás boa parte da Bíblia e 2) fala de nossa vida hoje, e não do fim do mundo. Para exemplificar essas impressões, limito-me a citar a célebre passagem dos “Quatro Cavaleiros do Apocalipse”, que ao menos em minha leitura pareceram falar muito mais sobre a vida material, sobre o dia a dia, que sobre figuras míticas cavalgando pelos céus no dia do Juízo. Esses quatro cavalos de que fala o apóstolo João, ao meu ver, relacionam-se com os quatro sofrimentos da vida descritos pelo Buda.

Assim como o Reino dos Céus está dentro de cada um de nós, conforme ensina Jesus, creio que também o Apocalipse (Revelação) é um caminho iniciático a ser trilhado no interior de cada ser humano. O Apocalipse é aqui e agora.


\\\***///


FAVELA GÓTICA liberado na íntegra no site da Verlidelas Editora:

Durante esse período de pandemia, em meio a tantas incertezas, temos uma única garantia: a de que nada será como antes. Estamos todos tendo a oportunidade preciosa de participar ativamente na reconstrução de um mundo novo, mais luminoso e solidário.

O livro Favela Gótica fala justamente sobre “a monstruosidade essencial do cotidiano”, em uma história cheia de suspense, fantasia e aventura. Ao nos tornamos mais conscientes das sombras que existem em nossa sociedade, seremos mais capazes, assim como a protagonista Liana, de trilhar um caminho coletivo das Trevas para a Luz.

A versão física de Favela Gótica está à venda no site da Verlidelas, mas – na tentativa de proporcionar entretenimento a todos durante a quarentena – o autor e a editora estão disponibilizando gratuitamente, inclusive para download, o PDF de todo o livro.

Fique à vontade para repassar o arquivo para amigos e parentes.

Leia ou baixe todo o livro no link abaixo:

Link do livro no SKOOB:

Book trailer


Entrevista sobre o livro na FM Cultura




sexta-feira, 5 de junho de 2020

JUBIABÁ – Jorge Amado



Esse livro é impressionante por muitos motivos. Publicado em 1935, foi o quarto romance de Jorge Amado, quando o autor contava apenas 23 anos. Trata-se de um dos primeiros romances brasileiros que tem um negro como protagonista – e não se enganem, não é o Pai-de-Santo Jubiabá, mas Antônio Balduíno, aventureiro, imperador mendigo, sambista, boxer, lavrador e, finalmente, ativista político. E por falar em Jubiabá, esse também é um dos primeiros livros a descrever de forma consistente alguns rituais e tradições do candomblé.

Aqui, nesta obra de juventude, é possível perceber em nível embrionário alguns dos elementos mais marcantes da prosa de Jorge Amado, esse Avatar da Literatura Mundial que escolheu a Bahia como cenário de sua manifestação. Se ainda não alcançou a sublime perfeição de obras como “Tenda dos Milagres” e “Os Pastores da Noite” (só para citar histórias que trazem heróis do povo, assim como Antônio Balduíno), e aqui e ali se deixa seduzir por ingênuas passagens panfletárias, o autor já permeia as páginas de Jubiabá com um inconfundível perfume de dendê. Não o dendê real, do tabuleiro da baiana, mas um dendê imaginário, literário, lírico, que só existe na Bahia inventada por Jorge Amado.

Salve Jorge!



\\\***///

FAVELA GÓTICA liberado na íntegra no site da Verlidelas Editora:

Durante esse período de pandemia, em meio a tantas incertezas, temos uma única garantia: a de que nada será como antes. Estamos todos tendo a oportunidade preciosa de participar ativamente na reconstrução de um mundo novo, mais luminoso e solidário.

O livro Favela Gótica fala justamente sobre “a monstruosidade essencial do cotidiano”, em uma história cheia de suspense, fantasia e aventura. Ao nos tornamos mais conscientes das sombras que existem em nossa sociedade, seremos mais capazes, assim como a protagonista Liana, de trilhar um caminho coletivo das Trevas para a Luz.

A versão física de Favela Gótica está à venda no site da Verlidelas, mas – na tentativa de proporcionar entretenimento a todos durante a quarentena – o autor e a editora estão disponibilizando gratuitamente, inclusive para download, o PDF de todo o livro.

Fique à vontade para repassar o arquivo para amigos e parentes.

Leia ou baixe todo o livro no link abaixo:

Link do livro no SKOOB:

Book trailer


Entrevista sobre o livro na FM Cultura


  

sábado, 30 de maio de 2020

IDEIAS QUE COLAM – Chip Heath e Dan Heath



Fui presenteado com esse livro pelo querido manoji Axel Guedes, a quem agradeço por essa leitura que tanto somou em minha vida. Li ao longo de alguns meses, refletindo e tentando experimentar na prática cada sugestão do livro. Foi um aprendizado tão intenso que decidi registrar minhas impressões a partir de dois pontos de vista diferentes, um técnico e outro filosófico.

1) Visão Técnica
Este é um poderoso manual de comunicação, que visa tornar nossas mensagens mais eficientes. Uma “ideia que cola” é “compreensível, memorável e eficaz na mudança de pensamento ou comportamento”. De forma bem resumida, seis princípios determinam se uma ideia irá colar ou não:
* SIMPLICIDADE: essencial para tornar uma mensagem facilmente assimilável.
* SURPRESA: é o que faz as pessoas prestarem atenção na mensagem.
* CONCRETUDE: faz as pessoas compreenderem e se lembrarem depois.
* CREDIBILIDADE: faz as pessoas concordarem e/ou acreditarem na mensagem.
* SENTIMENTOS: faz as pessoas se importarem com o que está sendo dito.
* RELATOS: mobilizam as pessoas a agirem a partir da ideia apresentada.

Além desses seis princípios, os autores apresentam um conceito muito interessante como “o grande vilão das ideias que colam”: a MALDIÇÃO DO CONHECIMENTO. Um curioso experimento de psicologia exemplifica bem esse conceito. Um grupo de pessoas foi dividido em “ritmistas” e “ouvintes” para participar de um jogo bem simples: os “ritmistas” deviam escolher uma música bem conhecida (como “Parabéns pra você” ou o hino nacional) e batucar o ritmo dessa música para os “ouvintes”. Vale a pena fazer essa experiência: tente batucar “Parabéns pra você” para alguém e veja se a pessoa consegue descobrir qual é a música. No experimento citado no livro, apenas 2,5% dos “ouvintes” conseguiram acertar a música. Contudo o dado realmente interessante é que os “ritmistas”, ao serem previamente perguntados sobre a taxa de acerto, calcularam que 50% dos “ouvintes” iriam acertar! Essa discrepância se deve à “Maldição do Conhecimento”: é muito difícil, principalmente quando se é especialista em determinado assunto, ter em mente que os seus interlocutores não possuem os mesmos conhecimentos que você. É por isso que muitas boas ideias não conseguem acessar um número maior de pessoas.

Venho testando na prática esses conceitos apresentados no livro, e realmente são muito úteis para tornar nossas ideias mais atrativas e abrangentes!

2) Visão Filosófica
É muito significativo que a primeira “ideia que cola” apresentada no livro tenha sido a famosa lenda urbana sobre a pessoa que aceita um drinque em um bar e acorda no dia seguinte em uma banheira cheia de gelo, onde descobre que um de seus rins foi roubado por traficantes de órgãos. O fato de uma ideia colar ou não, em suma, nada tem a ver com o fato de ser verdade ou não. Essa é uma descoberta estarrecedora sobre os fundamentos da Cultura de Massa, que expõe um problema crucial de nossa civilização tecnológica. Pois no âmbito meramente interpessoal, as técnicas para gerar “ideias que colam” podem fazer de você um bom vendedor de ideias boas ou más – com consequências relativamente limitadas. Contudo, ao serem aplicadas aos Meios de Comunicação de Massa, essas poderosas técnicas de persuasão podem ser usadas para perpetrar terríveis males. Assim foi que o rádio possibilitou a ascensão do nazismo e a televisão nos transformou em uma horda de consumistas devastadores da Natureza, por exemplo. O pior é que tudo indica que o problema se torna cada vez mais grave, à medida que as tecnologias de comunicação progridem. Recentemente a Cambridge Analytica demonstrou como o uso de informações coletadas nas redes sociais pode transformar seres humanos em robôs, literalmente (a acepção original da palavra “robô” é “escravo”) e eleger governos de tendências fascistas como os de Trump e Bolsonaro.

Mas como é que as “ideias que colam” podem exercer uma influência tão nefasta no mundo? A questão é que essas técnicas de comunicação são baseadas em descobertas sobre fragilidades cognitivas e emocionais das pessoas. O problema todo é que o Homo sapiens é muito menos sapiens do que imagina...

Vou citar apenas um exemplo do uso dessas técnicas, que é debatido com muito entusiasmo no livro. Na década de 1980, uma empresa de publicidade no Texas foi contratada para elaborar uma campanha que fizesse os texanos pararem de jogar lixo nas estradas. O problema era muito sério, gerando despesas de milhões de dólares por ano. Após uma pesquisa, a empresa traçou um perfil do público-alvo de sua campanha:

“O perfil do típico texano que jogava lixo nas estradas era o de um homem entre 18 e 35 anos, dirigindo uma pick-up, que gostava de esportes e música country. Ele não gostava de autoridade e não era motivado por associações sentimentais (...). Dizer ‘por favor’ a esses caras é como falar com um surdo.”

Pois bem. A genial campanha publicitária que conseguiu diminuir o lixo nas estradas em impressionantes 72% começou com um comercial mostrando três jogadores de futebol americano em poses ameaçadoras, dizendo algo como: “Sabe aquele cara que jogou lixo pela janela do carro? Eu tenho um recado para ele: não mexa com o Texas!” Essa campanha “Don’t mess with Texas” funcionou tão bem porque utilizou o próprio machismo dos telespectadores para convencê-los a mudar de atitude.

Nesse exemplo, as fragilidades psicológicas foram manipuladas para fazer as pessoas terem uma mudança positiva: parar de jogar lixo nas ruas. Em outro exemplo citado no livro, contudo, a manipulação foi inegavelmente maléfica: obrigada por lei a exibir uma campanha antifumo nos maços de cigarro, a Philip Morris espertamente adotou uma série de fotos e slogans que, por essa mesma incitação à rebeldia, acabou tendo o efeito de aumentar o número de fumantes!

E assim se revela um outro ganho que tive com essa leitura: ao ler sobre técnicas para influenciar outras pessoas, ficamos mais atentos e protegidos para não sermos nós mesmos vítimas dessas indevidas influências. Penso que se essas técnicas forem ensinadas nas escolas do Brasil, nunca mais precisaremos passar pela infeliz experiência de ter um presidente eleito por uma Mamadeira de Piroca!






\\\***///


Contos da Era Bolsonaro - baixe o livro gratuitamente:

Foi disponibilizado gratuitamente nas plataformas digitais o livro “TANTO TEMPO DIRIGINDO SEM NINGUÉM NO RETROVISOR: Contos da Era Bolsonaro”, de Fabio Shiva. Lançado pela Caligo Editora, o livro impresso pode ser adquirido na Amazon a R$20 (https://www.amazon.com/dp/B0851LYQVG), enquanto a versão para Kindle fica por R$ 4,35:

Mas o livro também está disponível para leitura online no Wattpad:

Quem preferir fazer o download gratuito do PDF, pode acessar o Recanto das Letras:

Os contos do livro nascem de uma perplexidade comum a milhões de brasileiros: como é que Bolsonaro foi eleito? Como é possível que, depois de tantos absurdos, ainda tenhamos parentes e amigos apoiando fanaticamente o governo? O que aconteceu com essas pessoas? O que aconteceu com o Brasil?

Para lidar com os horrores do obscurantismo que assola o país, precisamos mais do que nunca das luzes da Arte. E é assim que a Literatura Fantástica surge como uma resposta lúdica e inesperada diante de mesquinhas realidades.

Nas oito histórias aqui reunidas, Fabio Shiva explora os pontos cardeais desse grande enigma brasileiro:

* Será que o bolsonarismo surgiu de uma epidemia cósmica? - “O ódio que veio do espaço”
* Ou será tudo parte de um audacioso plano traçado na espiritualidade? - “Acima de todos”
* Será que isso implica no fim do mundo como o conhecemos? - “A espera”
* Como será o futuro dominado pelas Fake News? - “Notícias da Democracia”
* E o que aconteceria se ninguém mais pudesse mentir? - “Verdade e Consequência”

Que essas e outras incômodas perguntas aqui apresentadas possam fortalecer os leitores em seu processo de resistência vital contra o culto generalizado da morte: a morte da natureza, a morte da educação e da cultura, a morte da diversidade, do respeito e de tudo o que nos faz ter orgulho de sermos brasileiros. Contra as trevas da ignorância, salve a nossa Literatura!


sexta-feira, 22 de maio de 2020

AS VIDAS DE CHICO XAVIER – Marcel Souto Maior



Li esta esplêndida biografia de um dos maiores brasileiros de todos os tempos ao longo de vários meses, junto com minha esposa Fabíola, ao ritmo de poucas páginas por dia. E hoje finalmente encerramos a leitura, com o coração transbordando de gratidão pela linda existência de Mahatma Chico Xavier. Que bom, nos tristes dias que correm, ter um belo e digno motivo para sentir orgulho de ser brasileiro!

A história de Chico Xavier é contada com muita propriedade pelo jornalista Marcel Souto Maior, que dosa na medida certa passagens profundamente tocantes e episódios hilários, sem deixar de abordar de forma transparente as inúmeras polêmicas que fizeram parte da vida do grande médium. Muitos foram os aprendizados que tivemos ao longo dessa leitura, objetos de muitas conversas e reflexões. Dentre esses tantos, decidi destacar dois como mais marcantes:

1) A dura jornada até o topo
Como foi sofrida a vida de Chico Xavier! A vida dos santos (utilizo a palavra “santo” em sua acepção sânscrita original que significa “devoto, alguém que ama Deus”) é geralmente pontuada por provações além do que um mortal comum seria capaz de suportar. Contudo esses grandes homens e mulheres não se deixaram abalar por essas provações, mantendo sua alegria interna inabalável. Um exemplo sublime disso é uma anedota muito apreciada por Chico, que mostra Santa Teresa D’ávila quase se afogando em um rio quando tem uma visão do Cristo, que lhe diz: “É assim que trato meus amigos”. Ao que a santa responde, bem-humorada como sempre: “É por isso que os tende tão poucos”.

2) Se você acha que está entendendo tudo, é porque não entendeu nada
Tudo o que diz respeito à espiritualidade (e tudo diz respeito) é marcado sempre por um elemento que escapa às nossas vãs tentativas de racionalização. Uma característica fundamental do ser humano é tentar compreender e explicar o mundo que o cerca. Contudo a espiritualidade é muito mais ampla do que podemos captar com nossos sentidos limitados e nossa ridícula inteligência. Por isso em todo caminho espiritual sempre existe algo que desafia a explicação, uma conta que não fecha, uma pergunta que resiste a ser satisfatoriamente respondida. Esse é, creio, um lembrete muito válido para todo sincero buscador.


O livro “As Vidas de Chico Xavier” foi uma das principais fontes para o belo filme de Daniel Filho (https://youtu.be/-GQOtVVHW1E).


\\\***///


FAVELA GÓTICA liberado na íntegra no site da Verlidelas Editora:

Durante esse período de pandemia, em meio a tantas incertezas, temos uma única garantia: a de que nada será como antes. Estamos todos tendo a oportunidade preciosa de participar ativamente na reconstrução de um mundo novo, mais luminoso e solidário.

O livro Favela Gótica fala justamente sobre “a monstruosidade essencial do cotidiano”, em uma história cheia de suspense, fantasia e aventura. Ao nos tornamos mais conscientes das sombras que existem em nossa sociedade, seremos mais capazes, assim como a protagonista Liana, de trilhar um caminho coletivo das Trevas para a Luz.

A versão física de Favela Gótica está à venda no site da Verlidelas, mas – na tentativa de proporcionar entretenimento a todos durante a quarentena – o autor e a editora estão disponibilizando gratuitamente, inclusive para download, o PDF de todo o livro.

Fique à vontade para repassar o arquivo para amigos e parentes.

Leia ou baixe todo o livro no link abaixo:

Link do livro no SKOOB:

Book trailer


Entrevista sobre o livro na FM Cultura



terça-feira, 19 de maio de 2020

O LIVRO DAS ESTAÇÕES – Fernando de Oliveira



Que deliciosa jornada lírica pelas diferentes estações, tendo como cicerone o querido irmão poeta Fernando de Oliveira! Foi uma leitura que acalentou meu coração nesses dias de tantas aflições que vivemos.

A poesia de Fernando é extremamente musical, impregnada de um ritmo fácil e contagiante, marcado pelas fluidas rimas, que vão nos fazendo inconscientemente balançar a cabeça ou bater os pés no andamento sugerido pelo poeta. Não é por acaso que ele seja também o exímio letrista de belas músicas!

Mais que isso, a poesia de Fernando nos fala de um universo íntimo muito rico e belo, como um jardim cuidadosamente cultivado ao longo dos anos. Lendo os versos de “O Livro das Estações”, é inevitável não admirar a pessoa que os escreveu e desejar sua amizade. E que alegria a minha, que já sou amigo desse grande poeta de nossa terra!

Transcrevo abaixo minha poesia favorita desse lindo livro:

TOLTECA

Toda ação que praticamos
Vai ficar pra vida inteira,
Cada coisa que fazemos
Pode ser a derradeira.

Nesse caso, é bom fazer
Tudo certo de uma vez,
Que o presente passa logo
E o futuro é só talvez.

Se fazendo tudo bem,
Vamos indo pro melhor
Hoje mesmo, que amanhã
Ninguém sabe, é sonho, só.

Matéria sobre o lançamento do livro no programa Mosaico Baiano (TV Bahia): https://globoplay.globo.com/v/3813792/





\\\***///


CURA POÉTICA
(Delirium Liricus III)
Antologia colaborativa organizada por Fabio Shiva e Sergio Carmach
- Inscrições abertas –
- Premiação para o melhor poeta –
Este livro será o terceiro da série “Delirium Liricus”, que compara cada poesia a uma pílula, classificando-as como remédios (quando mais otimistas), venenos (quando mais pessimistas) e placebos (quando feitas para divertir, encantar).
No entanto, pouco importa se os versos são de amor, revolta, contemplação... Escrever e ler poesias é sempre uma boa forma de curar feridas da alma. A antologia “Cura Poética” é uma oportunidade para os poetas extravasarem o que trazem dentro de si em uma época de tantas incertezas. Faça sua poesia - seja ela um remédio, um veneno ou um placebo - e nos envie. Leia o EDITAL:

segunda-feira, 18 de maio de 2020

THE DELTA STAR – Joseph Wambaugh



Li esse livro pela primeira vez há oito anos (vide resenha: https://comunidaderesenhasliterarias.blogspot.com/2012/03/estrela-delta-joseph-wambaugh.html).

Não entendo como Joseph Wambaugh não é mais conhecido por aqui. Considero ele uma versão norte-americana de nosso grande Rubem Fonseca, pelo fato de também ter sido policial antes de se dedicar a escrever histórias policiais recheadas de ingredientes bizarros.

Nessa segunda leitura creio que me diverti muito mais. Dei altas risadas com as insólitas trapalhadas dos personagens e não conseguia largar o livro, uma vez mais capturado pelo suspense e pelo mistério da história, que mistura prostitutas assassinadas com um submarino nuclear russo e o Prêmio Nobel, de forma caótica e simplesmente brilhante!


Tive um aprendizado extra nessa releitura, pela sincronicidade de estar assistindo em paralelo à ótima série “The End of The F***ing World” (https://youtu.be/wrya4LOIrso), que utiliza um mesmo recurso bem aproveitado por Wambaugh: criar uma determinada expectativa para depois frustrá-la em um total anticlímax, que acaba tendo um efeito hilário. Amei aprender esse novo truque e já quero experimentar em alguma de minhas histórias...



\\\***///

FAVELA GÓTICA liberado na íntegra no site da Verlidelas Editora:

Durante esse período de pandemia, em meio a tantas incertezas, temos uma única garantia: a de que nada será como antes. Estamos todos tendo a oportunidade preciosa de participar ativamente na reconstrução de um mundo novo, mais luminoso e solidário.

O livro Favela Gótica fala justamente sobre “a monstruosidade essencial do cotidiano”, em uma história cheia de suspense, fantasia e aventura. Ao nos tornamos mais conscientes das sombras que existem em nossa sociedade, seremos mais capazes, assim como a protagonista Liana, de trilhar um caminho coletivo das Trevas para a Luz.

A versão física de Favela Gótica está à venda no site da Verlidelas, mas – na tentativa de proporcionar entretenimento a todos durante a quarentena – o autor e a editora estão disponibilizando gratuitamente, inclusive para download, o PDF de todo o livro.

Fique à vontade para repassar o arquivo para amigos e parentes.

Leia ou baixe todo o livro no link abaixo:

Link do livro no SKOOB:

Book trailer


Entrevista sobre o livro na FM Cultura




quinta-feira, 14 de maio de 2020

A ÁRVORE DE PAPAI NOEL – Noélia Barreto Bartilotti



Tia Nó está de volta, dessa vez em uma aventura natalina, que faz jus ao nome da autora. Noélia Barreto Bartilotti costuma dizer: “Doce é conviver com crianças. Com elas nunca deixamos de sonhar!” E é sempre impressionante ver a capacidade da escritora de se fazer criança para contar suas encantadoras histórias infantis. Uma das características mais admiráveis de Noélia é saber deixar espaço para a imaginação das crianças. “A Árvore de Papai Noel” é uma bela demonstração dessa habilidade da autora: a história é contada de forma simples e envolvente, mas apresenta detalhes que atiçam a imaginação e instigam os pequenos leitores a continuar a narrativa por conta própria. O livro começa, por exemplo, descrevendo os três duendes brincalhões que moram na árvore de Papai Noel: Cristófo, Zenóbio e Zebrino. Com uma breve pincelada, Noélia sugere todo tipo de situações engraçadas que podem ser vividas pelos três. Isso bem mostra o talento da autora: mesmo depois de lido, seu livro continua vivo na mente das crianças. As ilustrações são do excelente Ronald Teixeira Martins, que também desenhou o premiado “A Estrelinha Atrapalhada” (https://youtu.be/00G1vnqi0Ik), da mesma autora.


Canal de Noélia no YouTube:




\\\***///


Imagine um jogo que ensina as crianças a rimar e fazer Poesia!
Disponível gratuitamente no link abaixo:

O jogo POESIA DE BOTÃO faz parte do projeto selecionado pelo Edital Arte Todo Dia – Ano IV, da Fundação Gregório de Mattos (Prefeitura de Salvador), com apoio de Athelier PHNX, Verlidelas Editora, Caligo Editora, Suporte Informática e AG1. O propósito do jogo é convidar as crianças a vivenciar o universo da Poesia de forma lúdica e atrativa, como uma “brincadeira de montar versos”. POESIA DE BOTÃO é especialmente indicado para crianças já alfabetizadas, mas nada impede que adultos possam brincar também e se beneficiar com o jogo.




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...