sábado, 28 de abril de 2012

O HEREGE DE SOANA – Gerhart Hauptmann



Quem seria a enigmática figura que o povo de Soana chamava simplesmente de “o herege”? Vivendo nas montanhas em meio a cabras e bodes, vestido com peles e tocando sua flauta de Pã, um homem que deixava transparecer inteligência e erudição, apesar de seu humilde ofício de pastor.

Ao travar contato com o Herege de Soana, o narrador recebe das mãos dele um manuscrito com a história do padre Francisco Vela, tido como santo pelo povo. Só que o padre acaba se apaixonando pela bela Ágata, filha natural de um casamento incestuoso.

Em linhas gerais, essa é a trama de “O Herege de Soana”, uma narrativa dentro da outra que é sobretudo um romance de ideias. O autor segue uma forte influência naturalista, o que fica patente nas apaixonadas descrições da natureza e também de alguns personagens. Mas há muito mais que isso nesse livro.

Hauptmann é um hábil crítico do cristianismo enquanto instituição, muitas vezes engessado por dogmas e rituais que pouco ou nada tem a ver com o Cristo. Mas não é o ateísmo vazio que o autor opõe ao cristianismo mofado, e sim uma vivência da divindade através do contato com a natureza e, principalmente, do amor. Tive a impressão de que ele propõe um retorno ao paganismo como forma de retomar a ponte entre o homem e Deus.

Trata-se de um livro sutil e rebuscado, escrito no início do século passado. Me evocou bastante Hermann Hesse, não só pelos cenários e pela nacionalidade, como pelo estilo e modo de conduzir a história.

Um item curioso foi o narrador da história ser tratado na terceira pessoa. Nunca havia visto esse recurso antes.

Gerhart Hauptmann ganhou o prêmio Nobel de Literatura de 1912.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...