domingo, 23 de junho de 2013

ARMADILHAS E DESEJOS – P. D. James



Palmas para vovó Dorothy, que ela merece!!!

Espetacular!!!

Já li uma boa meia dúzia de livros de P. D. James, com admiração crescente. E com esse livro experimentei essa sensação tão ambígua para o leitor que segue com interesse a obra de algum autor. Com a familiaridade crescente, deixamos de enxergar apenas o entretenimento que está sendo oferecido, e começamos a perceber mais os bastidores do espetáculo. A sensação é ambígua porque na mesma medida que cresce nossa capacidade de enxergar a técnica e habilidade de um autor, perdemos a capacidade de apreciar como se deve um bom romance policial.
Mas enfim! Não há perda sem ganho, e versa-vice. Lendo esse livro compreendi melhor as objeções de amigos como Mad e Raphael Montes à literatura de P. D. James, que muitas vezes parece se alongar para bem além do foco central da história, que é o clássico e tão divertido jogo whodunit (quem matou?).

Fui surpreendido muitas vezes durante a leitura desse livro. Nem sempre as surpresas foram agradáveis, pois pareciam contrariar aquelas regrinhas confortáveis (porque tão conhecidas) do romance policial clássico. Aos poucos, porém, acredito que fui assimilando melhor as intenções da autora, dentre elas certamente a proposta de quebrar alguns tabus do gênero. Evidentemente nada posso comentar de mais específico, para não estragar a surpresa de quem ainda não leu o livro.

Outra intenção evidente foi a mistura de clichês apresentados de forma inusitada, recurso comum em escritores de sucesso que precisam escrever um livro novo a cada ano. Os clichês mais ostensivos em “Armadilhas e Desejos” (“Devices and Desires” no original) são: serial killer, detetive em férias e MEGEPAINOS (a mensagem vai cifrada para não ser spoiler, para bom entendedor meia palavra). Esses temas foram apresentados de forma a fugir totalmente do clichê, com a habilidade e o bom gosto de uma lady inglesa.

Mergulhei na leitura de forma intensa e praticamente exclusiva (quando geralmente o mínimo que leio é três livros de cada vez). P. D. James vai muito além do mero jogo de detecção policial. Sua construção de personagens é esplêndida! Todos muito vivos, muito reais, muito ingleses. Suas motivações são profundas, miram mistérios mais cavernosos que o jogo superficial de descobrir quem matou. E o jogo em si é impecável, qualquer leitor será obrigado a reconhecer ao final da obra.

Dois belos insights:

1) A poesia de Adam Dalgliesh, eventuamente mencionada mas nunca mostrada, nasceu talvez de uma ideia interessantíssima: a poesia policial. Seria possível?

2) O olhar de P. D. James, que por vezes parece tão amargo, comporta um horizonte moral, uma função crítica da sociedade que resgata sua prosa do nihilismo vazio.

Ainda uma palavra, novamente comparando Dorothy e Agatha. P. D. James não pode ser maior que Agatha Christie, pois se não houvesse A.C. não haveria P.D., que é a sua natural evolução. Mas por isso mesmo é que a vovó Dorothy enxergou mais longe, pongada nos ombros de vovó Agatha!

Romance policial também pode ser arte!



***///***
Conheça O SINCRONICÍDIO:

Booktrailler:
http://youtu.be/Umq25bFP1HI

Blog:
http://sincronicidio.blogspot.com/
 
***///***
MANIFESTO – Mensageiros do Vento
LEIA AGORA (porque não existe outro momento):


4 comentários:

  1. resenha incrível! Nunca li nada de PD james, mas fiquei curiosa!!!

    Passando para desejar um ótimo dia!
    Liz<3
    The Red Lil' Shoes Blog
    http://theredlilshoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi Liz! valeu pelo comentário!
      leia sim, que essa vovó Dorothy é poderosa!!!
      :)

      Excluir
  2. Olá, adorei o seu blog e gostaria de convidar vc a dar uma passadinha lá no meu blog, desde já muito obrigado por sua atenção.
    donskedar.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Donnefar! E parabéns pelo blog!!!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...